Personalidade Problemas comuns à raça Sobre o Pastor de Shetland O Filhote Padrão  
 

 

O Pastor de Shetland ou Sheltie é uma raça bastante jovem, originada nas Ilhas Shetland, na costa da Escócia, um lugar ‘especializado’ na criação de animais pequenos, como os pôneis de Shetland e as ovelhas pequenas e com focinho preto desenvolvidas no mesmo lugar. No entanto, apesar de sua origem recente ainda pairam muitas dúvidas sobre o seu desenvolvimento. Muitos acreditam que a raça tenha surgido a partir de cruzamentos entre os Border Collie e raças nativas já adaptadas ao pouco espaço e pequena quantidade de alimentos disponíveis. Outros estudiosos no entanto sustentam que os Shelties tenham tido os mesmos ancestrais do Collie acasalados em algum momento com Spitzes, que contribuíram para a redução do seu tamanho.

Seja como for, a raça só se tornou mais conhecida a partir da primeira década de 1900. Nesta época já eram muito utilizados pelos habitantes das ilhas para o pastoreio de ovelhas, atividade que continuam exercendo com perfeição quando faz parte de sua rotina diária. O primeiro clube da raça – o English Shetland Sheepdog Club – responsável pela elaboração do primeiro padrão da raça, surgiu em 1914.

Por sua aparência delicada e charmosa e pelo seu tamanho reduzido, logo tornou-se popular nos Estados Unidos como cães de companhia, aproveitando de certa forma a fama de seu primo ‘maior’ para conquistar uma verdadeira legião de fãs.

Apesar da semelhança entre Collies e Shelties, as duas raças guardam diferenças importantes entre si, além do tamanho. O sheltie costuma ser mais ativo e mais dependente do dono do que o Collie, além de latir proporcionalmente mais. Com estranhos costuma ser mais arredio do que o Collie.


Personalidade

indyag1.jpg (12977 bytes)São cães muito inteligentes e que aprendem com rapidez. O Shelties aparecem na a 6ª posição entre as raças mais inteligentes na classificação do livro A Inteligência dos Cães de Stanley Coren. No entanto, a inteligência aguçada não é apenas uma qualidade, podendo se transformar também num problema, já que por sua capacidade de aprendizagem tão desenvolvida, o Sheltie precisa ser exercitado – física e psicologicamente – para que não se torne um cão entediado e consequentemente destrutivo.

Por sua característica de procurar o dono constantemente, não são cães que devam ser ‘esquecidos’ nos quintais ou privados do convívio familiar, já que nestes casos podem desenvolver problemas de comportamento, como destruição, latidos em excesso, morder as coisas e cavar buracos. Apesar de procurarem constantemente a companhia do dono, também não são cães ‘de colo’.

skyag.jpg (8655 bytes)

Com pessoas estranhas demora um pouco até se sentir confortável, mas se sentir qualquer traço de animosidade não vai pensar duas vezes para dar o alarme.

Podem viver em espaços pequenos, como apartamentos, desde que seja exercitado diariamente. Seu nível de atividade e sua grande facilidade em aprender novos comandos, faz com que os Shelties se destaquem em esportes como o agility.

Bastante sociável com crianças, pode ser um excelente companheiro nas brincadeiras, podendo mesmo exercitar com elas suas habilidades de pastoreio.


Picture from Carmylies Shelties

O Filhote

A primeira providência para garantir um bom filhote é a observação das proporções físicas dele. Um bom exemplar tem o corpo retangular, levemente mais longo que alto. Os olhos são amendoados e escuros. Na cor azul merle são aceitos também olhos azuis: podem ser ambos ou apenas um ou, ainda, escuros com manchas azuis. O focinho começa a ficar alongado a partir do primeiro mês. A ponta do nariz (trufa), lábios e pálpebras devem ser pretos.

A ponta dobrada das orelhas deve aparecer entre os quatro e os cinco meses de idade. Nessa época, se o terço superior não dobrar sozinho, pode-se apelar para um pequeno truque que consiste na colocação de um pequeno peso - um rolinho de esparadrapo (substituído a cada cinco dias) ou uma massa aderente feita com a mistura indicada pelo veterinário de forma que a pasta grude nas pontas das orelhas, recolocadas ao caírem por falta de aderência. Quando as pontas das orelhas dobrarem sozinhas, pode-se suspender o "tratamento". Tais providências não funcionam em Shetlands com mais de oito meses.


Pelagem

ene99p28.jpg (23459 bytes)

Apesar de sua vasta pelagem impressionar, os cuidados especiais são poucos. No entanto, é indispensável uma rotina pelo menos semanal de escovação, com escova de pinos, para deixar o Sheltie bonito e saudável. Na época da troca de pêlos essa escovação deve ser feita mais frequentemente. Apesar de longa, a pelagem não costuma formar nós.

Os criadores são bastante enfáticos sobre a quantidade de banhos. Quanto menos, melhor! Normalmente os Shelties devem ser banhados o mais espaçadamente possível, por exemplo, semestralmente, existindo criadores que nunca dão banho em seus cães, optando pelo chamado ‘banho seco", em intervalos semanais, com talco ou maisena.

A principal restrição aos banhos tradicionais é que os Shelties, por sua pelagem abundante, demoram muito para ficarem completamente secos e a umidade do pelo pode causar a proliferação de fungos e bactérias causadores de micoses e dermatites, que provocam mau cheiro e queda dos pêlos.


Picture from Carmylies SheltiesAs marcações brancas são uma preferência em todas as cores aceitas pelo padrão do Shetland, exceto nos pretos-e-castanhos, conforme determina o padrão da raça seguido pela CBKC. Essas marcas devem estar localizadas no peito, antepeito, membros e extremidade da cauda, formando uma lista ou um colar. São proibidas no tronco. A ausência dessas manchas é aceita.

Segundo o padrão adotado pelo American Kennel Club (AKC) é proibido que os cães tenham mais do que 50% de branco no corpo. Já as entidades filiadas à Federação Cinológica Internacional (FCI) e o The Kennel Club, da Inglaterra, apenas orientam no sentido de não ultrapassar essa porcentagem, sem mencionar nos padrões, e podem penalizar ou até eliminar o cão das competições de beleza. Os exemplares com muito branco têm direito a pedigree.

As cores permitidas são: azul merle, zibeline ou marta (coloração que vai do dourado pálido ao acaju intenso) e tricolores.

Segundo os criadores não se deve acasalar 2 exemplares azuis merles, que podem gerar cães totalmente brancos e com problemas de cegueira e surdez. Outro cruzamento não indicado é o de exemplares zibeline (coloração que vai do dourado pálido ao acaju intenso) com azul merle.


Problemas comuns à raça

A raça é considerada bastante saudável, mas geneticamente mais propensa a desenvolver problemas de pele, causados por disfunções orgânicas hereditárias. Causam o aparecimento de áreas sem pêlo, com vermelhidão da pele e posterior escurecimento. Outros problemas comuns à raça são: